quinta-feira, 3 de outubro de 2013

"Galinha Pintadinha é do diabo!"


Pronto, estava demorando.... demonizaram a Galinha Pintadinha!
Por todo lado onde vi menção de Galinha Pintadinha como algo satânico, vi um site ou blog de demonizadores contumazes, crentes em teoria de conspiração, Nova Ordem Mundial, caçadores de chifres em "cabeça" de minhoca e coisas do tipo. Por que será, heim?
O que mais acho engraçado e trágico ao mesmo tempo é que não se discute produtos infantis com "selo gospel". Não se discute "produto gospel", tem o "selo", tem tudo! Isso é ridículo!

Quero trazer algumas considerações e questionamentos referentes ao que nunca é demonizado, o "produto gospel".  Para tanto, observarei apenas um aspecto da grande bolha gospel, a música.
Qualquer cristão zeloso e amante da Palavra de Deus, sabe perfeitamente como as composições do meio gospel estão miseravelmente pobres, desprovidas de beleza, antropocêntricas e sinceramente e muitas vezes parecem hits de academia. Frases como: "para a direita, para esquerda...", "livre pra correr...", "pulo, pulo, pulo...", "eu vou Ziguezagueando" deixam muito claro a situação deplorável em que a "cultura gospel" chegou. Ninguém demoniza isso, afinal, o número dos que correm, pulam e ziguezagueam é infinitamente maior e estão na moda, a "moda gospel"
Sei que nesse ponto há alguém detestando ler isso. Talvez tenha exagerado e tocado em alguns de seu "TOP 10" e olha que nem falei dos "mantras gospel", repetindo, repetindo ou das canções que tratam Jesus como namoradinho. Nem me venha com a questão da licença poética. Não há licença que reduza Jesus a um namoradinho e permaneça inquestionável!
Pensemos um pouco na "Linha Infantil", eu tenho algumas coisas aqui em casa, coisas de qualidade com mensagens claras do Evangelho e/ou que fala do cotidiano infantil, mas queridos, já vi muita tranqueira coisa com frases  ou vocalizações nonsense, porém , que os pequenos amam.  Até pra adultos o gospel tem suas vocalizações sem sentido repetidas por 4 compassos inteiros enquanto o povo fica esperando o hit acabar! Qual é o sentido, o propósito, a mensagem, por quê não demonizam isso???

Na esperança de trazer algo além de histeria, transcrevo o artigo do Neurologista Leandro Teles, que explica a estratégia neurolinguística usada pela galera de marketing, igual em todas as faixas etárias e que se concentra num determinado público alvo:

Lápis e caneta na mão e vamos à receita da A Galinha Pintadinha. Ingredientes: uma galinha azul, pintadinha é claro; algumas cantigas de roda, universalmente conhecidas; alguns desenhos coloridos.  Misture tudo, coloque no youtube e nas prateleiras. Pronto!! É só esperar e colher os frutos dos 300 milhões de acessos, milhares de CD´s e DVD´s vendidos, casas de show lotadas, etc…
Parece bem simples, mas não é possível que seja só isso… Quem já viu o encontro entre essa mídia infantil e seu público alvo (crianças de 0 a 5 anos) deve ser ficado com a pulga atrás da orelha. Os pequeninos ficam fascinados, paralisados, mudam o comportamento e parecem estar hipnotizados. A música, os traços, as cores, não tem nada de realmente diferente e novo nisso. Qual serão então os ingredientes secretos dessa receita?
Segundo o neurologista Leandro Teles: “O verdadeiro pulo do gato, ou da galinha, é ter sido feita sob medida para o cérebro infantil. Cumpre perfeitamente duas missões: Primeira: chamar atenção da criança, tarefa essa não muito difícil, convenhamos. Segunda: sustentar essa atenção, por minutos e até horas, isso sim não é para qualquer um”.
Convidamos o especialista para comentar alguns aspectos sobre a percepção infantil e os detalhes técnicos dessa produção de grande sucesso:
Dividiremos a análise na parte visual e parte sonora.
Parte Visual
Criança pequenas são ávidas por estímulos visuais, adoram objetos coloridos e movimentos. Gostam do simples, traços diretos e grosseiros. As cores vivas devem apresentar contraste, cada objeto tem uma cor completamente diferente e destoa do resto, nada precisa combinar, precisa saltar aos olhos.  Os personagens são apresentados no centro da mídia, movimentam-se em bloco, são pouco articulados, de expressão estática, isso evita que a complexidade tire o foco da criança.
Ainda sobre os personagens, esses não são desenhados ao acaso. Independente se são ET´s, dinossauros, humanos ou animais, eles geralmente têm a cabeça desproporcionalmente grande em relação ao corpo, assim como olhos desproporcionalmente grandes em relação a cabeça. Outra boa sacada da percepção infantil. As crianças se afeiçoam precoce e intensamente a face, tendo os olhos como primeiro ponto de reconhecimento do outro. Os bebês mamam em posição apropriada para fitar os olhos da mãe, comportamento ausente em outros mamíferos. Os produtores abusam de faces e olhos, colocando rosto com expressões “humanas” em animais e mesmo em coisas inanimadas, como o Sol (quem não se lembra do solzinho dos Teletubbies com cara de bebê), a Lua, estrelas, coração, etc… “Existe uma região cerebral especializada apenas em percepção e reconhecimento de faces”, explica o neurologista.
Alguns padrões visuais regulares e ritmados surgem eventualmente, como traços radiais partindo do centro, arco-íris com oscilação, círculos concêntricos, etc…, mais uma jogada para garantir o canal de atenção sustentada.
Parte Sonora
A sonorização dos vídeos também é peculiar e nada aleatória. Apresentam-se canções de melodia forte, marcante, simples e principalmente repetitiva. A harmonia cíclica funciona como um pêndulo de hipnose. É muito facilmente aprendida e gruda no cérebro de crianças e mesmo de adultos. O timbre vocal é específico de canções infantis.
Junção entre imagem e som
aqui talvez o grande trunfo da produção. A canção e a animação são expostas sincronicamente. A animação pulsa conforme a música, os personagens oscilam no tempo da melodia. Para complementar tem até uma bolinha que pula ritmada sobre a letra da música, dando ainda mais balanço e integrando definitivamente som e vídeo. “Isso gera entradas paralelas e complementares tanto em regiões cerebrais auditivas, mais laterais, como em regiões visuais, posteriores, exigindo um engajamento cerebral para unificá-los”, atenta o especialista.
Como podemos ver, existem mais ingredientes secretos do que nossa superficial avaliação poderia imaginar, e deve haver muito mais. Mas para encerrar, será que a exposição intensa à Galinha Pintadinha pode fazer mal a nossas crianças?
“Realmente não vejo problema nenhum com esse tipo de exposição, acho até um estímulo interessante e uma oportunidade para integração social, atividade física e musicalização precoce” conclui o neurologista, mas resalta: “o problema nasce com uso inadequado, excessivo e sem integração com os pais, familiares ou outras crianças, entrando na rotina em detrimento de outras atividades mais apropriadas”.

Sobre a "Pintadinha" , concluo repetindo uma das frases do meu irmão, um recém convertido a Cristo e avesso ao movimento da moda: "Max,  a 'gospelândia' perdeu a linha!"


Nenhum comentário: